segunda-feira, 17 de junho de 2013

Aconteceu no ônibus

Tenho 41 anos, moro em Natal-RN, divorciado e a experiência que passo a relatar para vocês agora aconteceu em uma de minhas idas para o trabalho em ônibus coletivo, numa sexta-feira. Peguei o ônibus que pego normalmente, no horário habitual, por volta de 7:30 h da manhã. Alguns passageiros eram conhecidos de vista, de todos os dias. No ponto de ônibus seguinte entrou uma aluna que sempre pega o ônibus nesse horário, deve ter uns 19 ou 20 anos.
Ela é morena, cabelo crespo no meio das costas, seios médios, bumbum grande e arrebitado, coxas bem grossas e unhas vermelhas. Ela usava uma saia folgada acima do joelho, mostrando os pêlos dourados, uma blusa com as mangas enroladas e os dois últimos botões abertos mostrando o decote do sutiã e parte dos seios, e usava uma sandália de saltinho, que deixava o seu bumbum ainda mais empinadinho. Ela usava uma bolsa tira-colo e uma pasta de mão. Sempre que entra no ônibus, ela me olha, e para perto de mim. Quase sempre estou em pé, pois nesse horário o ônibus está cheio. E quando chega o seu ponto, me olha bem nos olhos antes de saltar. Sempre que vaga lugar próximo a mim, a deixo sentar. Ela dá um jeito de abrir mais o decote, e levanta bem a saia, mostrando mais ainda as coxas grossas e douradas. Me excito a ponto de meu pau ficar duro e latejando. Ela sempre disfarça, mais olha várias vezes meu volume na calça. Sempre dou um jeito de encostar o cacete em seu ombro, pressionando e sou correspondido com a pressão que ela faz com o ombro e braço em meu cacete.
Nessa sexta, fui trabalhar de calça de algodão, camisa de mangas compridas e botões, cueca bem folgada de tecido fino e tênis. Ela entrou, passou na roleta e me olhou nos olhos, como sempre faz. Se aproximou, passou por mim e parou ao meu lado. A senhora que estava sentada na minha frente segurou as coisas dela. Olhei seu decote, e pude ver parte das auréolas do seio direito dela aparecendo, os biquinhos já estavam durinhos. Ela reparou que olhei, viu que estava aparecendo, e encheu o peito de ar, estufando-o ainda mais e moveu os ombros pra traz, para mostrar mais um pouco. Fiquei logo excitado. O ônibus encheu muito e ela veio se chegando mais e mais pro meu lado, até que cedi o lugar pra ela e me coloquei bem atrás dela. Olhei-a pelo vidro do ônibus, e ela me encarou. Estávamos segurando nos bancos, e minha mão encostava na dela. Não me contive e coloquei meu polegar sobre sua mão e acariciei-a. E afastei um pouco mais a mão sentindo a sua calcinha por cima da saia. Ela olhou nos meus olhos, e fez o mesmo que eu com a outra mão na minha. Não perdi tempo, e encostei meu pau já duro na sua bunda e rocei de leve. Ela continuou me olhando nos olhos, e rebolou suavemente pros lados, e depois empinou mais o bumbum. Meu pau latejou, e forcei ainda mais. Senti que ela empurrou mais ainda sua bunda pra mim. Ficamos roçando um no outro e nos olhando pelo vidro. Meu pau duro como pedra, latejava dentro da cueca. E ao mesmo tempo eu já percorria toda a sua calcinha, sentindo a alcinha lateral, até chegar a sua buceta, que alisei por cima da saia, sentindo o calor que exalava dela, pressionando o grelinho. Até que vagou um lugar na nossa frente. E ela pediu que eu sentasse, e que segurasse suas coisas.
Confesso que fiquei decepcionado, e ainda de pau duro sentei. Ela então encostou a bucetinha no meu ombro e ficou se esfregando em mim. Fiquei cheio de tesão, e respirava fundo para sentir o cheiro que emanava da sua bucetinha. Sentia o calor e a umidade da buceta dela se esfregando no meu ombro. A cada freada, cada curva, cada balanço ela se esfregava com mais força. Em outro momento roçava bem de leve. Eu aproveitei e como estava segurando a sua bolsa e pasta e passei a alisar a sua coxa, sentindo os pelinhos dourados ficarem arrepiados, ela ficava na ponta dos pés, depois descia, esfregando a buceta em meu ombro. Eu desci a mão e depois fui subindo por baixo de sua saia, sentindo os pelinhos arrepiados e o suor de sua coxa, fui subindo, até que cheguei a sua buceta, toquei por cima da calcinha, sentindo o quanto estava molhada, massageando o grelinho, pressionando e ela se esfregando ainda mais em mim. Afastei a sua calcinha e percorri toda a extensão de sua buceta, massageando o grelinho, enfiando o dedo, sentindo o quanto estava molhada, sentido o aroma gostoso de sua buceta. E assim com os meus movimentos em sua buceta, senti quando ela tremendo de tanto tesão, gozou gostoso e lambuzou ainda mais os meus dedos com o seu néctar gostoso.
O ônibus foi ficando mais vago e me recompus, retirando a minha mão de sua buceta, colocando próximo a narina para sentir o seu aroma. Até que ela pediu o material e agradeceu com uma carinha de safada, dizendo até amanhã e tenha um bom dia.
Espero que vocês se deliciem com mais esse relato. Fico aguardando o contato e comentários.
Meu e-mail/MSN é: sr-fetiche@hotmail.com ou twitter: @srfetiche

Nenhum comentário:

Postar um comentário